Número total de visualizações de página

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Perdi-me

Caminhamos juntos tanto tempo.
Sonhámos juntos tantos sonhos.
Fomos cumplices de tantas coisas,
Que hoje, sem ti,
Me perco nas voltas da vida.
Perdi sonhos,
Perdi caminhos,
Perdi noites,
Perdi-te a ti.
Procuro-te, em vão,
Nas insónias que me invadem,
Nas lágrimas que me não secam,
Nas lembranças que não se apagam
Nas marcas que em mim deixaste
Nos filhos que me fizeste.
Perdi-te.
Mas encontro-te
Em tudo quanto faço
Sonhando sonhos comuns.

Helena

domingo, 22 de agosto de 2010

Quem sabe?

Há dias que passam sem passar
E noites que voam num instante.
Existências que se esbroam
Num presente passado distante.
Há gente que passa e que fica
Nas vidas que cruzam a nossa,
Sem que saibamos porquê,
Ou mesmo para quê.
Mas se não há coincidências,
Porque é que elas se tornam
Lamentáveis aparências
Daquilo que realmente não são?
Somos nós que consentimos
Ou elas que se impõem?
Somos nós que desejamos o indesejável,
Ou os outros que nos mostram
O que somos e não queremos ser?
Ainda hoje não sei quem sou.
Se eu,
Se o que os outros julgam que sou.
Não é que seja importante
Ser eu ou outra qualquer.
Mas é deveras intrigante
Não saber o que se quer.

Helena