Número total de visualizações de página

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Tempo sem tempo

Tenho-te à minha frente
Nesta foto envelhecida.
Nela te dou a minha mão,
Encostada aos teus ombros.

Quantos anos já passaram?
Dez, vinte ou trinta,
Não importa.
Porque o tempo
Não tem tempo,
Quando o amor se desfaz
Na terra onde jaz.

Helena

4 comentários:

  1. Tão malandro que o tempo é...

    ... quando ele passa sem que nos apercebamos;
    ... quando queremos que ele avance e ele teima em estar vagaroso;
    ... e todas as vezes o desperdiçamos quando pensamos estamos a aproveitá-lo.
    ... e quando o perdemos, aí sim uma verdadeira chatice: é que nunca mais o encontramos.

    ResponderEliminar
  2. Amiga Helena
    Eu fiquei muito comovida com seu comentario.
    Sempre li com prazer e alegria seus versos e contos. Eu desconfiava que era importante no meio cultural de Portugal. Fiquei muito lisonjeada quando li sua biografia.
    Obrigada é pouco para lhe agradecer.
    Voce me faz feliz!
    com carinho Monica

    ResponderEliminar
  3. Minha querida Monica
    A sua simplicidade, a forma como nos vê, a língua que partilhamos, os comentários que nos deixa, isso sim, é que me faz ter por si tanto carinho.
    Bem haja, minha querida!

    Beijo para si e mamãe

    ResponderEliminar
  4. O tempo, sempre o tempo que nos atormenta. O tempo que foi. O tempo que ainda é. O tempo que ainda será. Vivemos num círculo onde o tempo é apenas o tempo. Uma réstia de recordação.

    ResponderEliminar